Vimana: As antigas naves avançadas relatadas em textos antigos.. Um dos maiores mistérios do passado!!

06/08/2021

Atualmente, Vimana é o nome atribuído a uma nave avançada usada pelos antigos deuses da Índia. Os primeiros relatos desses objetos são rastreados em sânscrito (escrita indiana) a milhares de anos atrás, em que vários tipos de Vimana são mencionados.

Estas naves avançadas misteriosas foram utilizadas ​​em combates fascinantes, as batalhas são similares a de jatos avançados em ação hoje, porem apenas centenas de anos antes de Cristo. No Mahabharata, estas fascinantes guerras são muito bem documentadas. Os Vimanas são reportados quarenta e uma vezes com armas do mais alto nível de avanço que disparam feixes de luz.

Os textos antigos informam sobre ataques do Rei Salva contra a cidade de Dwarka, onde o deus Krishna viveu. Salva leva um Vimana nomeado de Saubha que tem a habilidade de tornar-se invisível aos olhos de qualquer um. Krishna rebate o ataque com raios que localizam e aniquilam seus inimigos através do som.

O Ramayana também faz menção a espantosas máquinas aéreas, relatando as aventuras da princesa Sita, raptada pela Ravana, onde um Vimana chamado Puspaka é relatado.

De acordo com o Dr. V. Raghavan, ex-professor de sânscrito da Universidade de Madras, existem vários documentos em sânscrito, que remontam há milhares de anos, que mostram sem sombra de duvidas que entidades alienígenas estavam na antiga Índia há milhares de anos atrás. Lá, os viajantes extraterrestres foram chamados de deuses. E esses deuses possuíam vários tipos de armas e tecnologias que foram relatadas pelos povos antigos como celestiais.

Também podemos encontrar vários textos que relatam sobre como essas naves avançadas podem ser derrubadas. O Ramayana mostra que 16 tipos de metais diferentes são necessários para construir um Vimana, aqui na Terra só possuímos três dos metais relatados nos textos sagrados.

De acordo com os estudiosos, esses textos antigos também se referem a tecnologias fascinantes como a anti-gravidade - algo que ainda estamos bem distante hoje. Dr. Ruth Reyna, da Universidade de Chandigarh traduziu alguns dos textos escritos em sânscrito que fazem menção as tecnologias "anti-gravitacionais". A forma que os iogues desenvolveram para flutuar, segundo a pesquisa, é a mesma força tecnológica que permitiu que os Vimana se movessem livremente através do espaço.

Os Vimana são relatados em diversos outros textos antigos, para muito além da mitologia Hindu, o que mostra que essas naves avançadas usadas pelos 'deuses' eram uma possibilidade real há milhares de anos atrás. Doutor Raghavan informa que a tecnologia foi trazida por seres de outros planetas há milhares de anos em um determinado momento em que os Anunnakis viviam entre os seres humanos.

Muitos pesquisadores e historiadores tem em mente que os Vimana são o que nós hoje intitulamos de "discos voadores". Estas naves enigmáticas são pilotados por entidades de outros lugares do universo, e podemos encontrar a evidencia deles em vários textos antigos em todo o mundo, como o sânscrito, onde as avançadas aeronaves são mencionadas com uma riqueza de detalhes assustadora.

Os estudiosos da área tem em mente que ainda existem muitos outros textos que não foram totalmente traduzidos, e contem informações importantes sobre essas possíveis visitações sobrenaturais e suas diversas tecnologias milhares de anos a nossa frente.

"Aqueles que vieram do céu" é, na língua suméria, Anunnaki. Vários teóricos dos mais diversos campos tem certeza que os Anunnaki mostraram aos sumérios, e em seguida, aos babilônios, como desenvolver e projetar essas máquinas avançadas.

Alguns acreditam que o conhecimento dos antigos alienígenas era vasto e pode ter feito o ser humano evoluir e atingir o avanço que possuímos hoje em tantas áreas diferentes. Sem dúvida alguma os deuses hindus e alguns relatos do passado são uma grande prova que a humanidade antiga tem uma forte conexão com entidades de outro planeta.

ATENÇÃO: Respeite o conteúdo do SITE, não copie sem autorização (conteúdo 100% protegido)