Enfim podemos ter encontrado vestígios de Atlântida: Uma cidade de 5.000 anos é descoberta na Grécia

01/05/2021

Os mares e oceanos que cobrem um terço da superfície da Terra escondem inúmeros segredos em suas profundezas. Milhões de naufrágios inexplorados e cidades naufragadas são apenas alguns dos mistérios que as águas e a passagem do tempo enterraram. Nesse sentido, as costas gregas testemunharam um dos achados mais surpreendentes dos últimos tempos.

Pavlopetri, a cidade subaquática mais antiga do mundo

Na década de 1960, foram descobertos os restos do porto de Pavlopetri, uma cidade grega que data da Idade do Bronze. Desde então, diversos estudos foram realizados com o objetivo de desvendar os segredos que se escondem sob as águas. Alguns especialistas relacionaram a antiga cidade de Pavlopetri com a lendária história da Atlântida.

Nicholas Flemming, do Instituto de Oceanografia da Universidade de Southampton, foi o responsável pela descoberta dos restos deste assentamento na década de 1960. Ele está localizado na região do Peloponeso, no sul da Grécia, perto de uma pequena cidade chamada Pavlopetri. Estima-se que a cidade esteja submersa há cerca de 5.000 anos.

Outro fato interessante sobre esta cidade subaquática é que ela está localizada a poucos metros de profundidade, o que facilita muito seu estudo. Acredita-se que seja a cidade subaquática planejada mais antiga conhecida até hoje. Por esse motivo, rapidamente se tornou parte de outros misteriosos assentamentos subaquáticos, como a cidade chinesa de Shi Cheng.

Diferentes equipes tentam decifrar seus mistérios

Antes de Flemming encontrar a cidade de Pavlopetri, o geólogo Folkion Negris havia conseguido identificar a cidade em 1904. Depois que Flemming redescobriu o lugar, ele foi inspecionado novamente por outra equipe de arqueólogos subaquáticos em 1968.

Mais tarde, em 2009, a Universidade de Nottingham, sob a direção de John C. Henderson, iniciou um projeto de 5 anos para explorar o local. Recebeu o apoio do Ministério da Cultura e Turismo da Grécia, formando assim o Projeto Pavlopetri de Arqueologia Subaquática.

Os estudos arqueológicos são tão emocionantes quanto complicados, pois se trata de redescobrir lugares e objetos muito antigos e delicados. Além disso, as interpretações feitas do lugar devem ser enquadradas em um contexto e um tempo diferentes dos nossos. No caso do Pavlopetri, tudo isso tem que ser feito embaixo d'água.

O projeto de arqueologia encarregado de investigar a cidade subaquática de Pavlopetri utilizou ferramentas e técnicas avançadas. Eles combinaram arqueologia com robótica subaquática e gráficos de última geração para pesquisar o fundo do mar. Dessa forma, eles puderam trazer de volta à vida uma cidade que estava prestes a desaparecer por falta de proteção.

Na verdade, Pavlopetri é a primeira cidade perdida a ser pesquisada digitalmente em 3D usando a tecnologia de mapeamento por sonar. A qualidade das imagens resultantes é única, reconstruindo a cidade a um nível nunca antes visto. A precisão tridimensional permitiu à equipe ter uma ideia quase exata de como era o lugar há 5.000 anos.

As análises feitas no fundo do mar permitiram a identificação de milhares de objetos no local que facilitam o entendimento de como era o cotidiano em Pavlopetri desde 3.000 a.C.. Especialistas apontam que a cidade afundou por volta de 1.100 a.C., como resultado de um terremoto, erosão, elevação do nível do mar ou até mesmo um tsunami.

Cerca de 5.000 anos atrás, a vida em Pavlopetri tinha um alto nível de civilização e a cidade possuía uma arquitetura incrível. Estradas, casas de dois andares, templos, cemitério e um complexo sistema de gerenciamento de água encanada, entre outros avanços. Este é o único local submerso tão antigo que pode ser considerado uma verdadeira cidade planejada.

A Atlântida foi mencionada pela primeira vez há mais de 2.000 anos por Platão, que disse que uma ilha-estado havia afundado há milhares de anos.

"Através de violentos terremotos e inundações, em um único dia e noite de infortúnio ... [toda a raça] ... foi engolida pela Terra, e a ilha de Atlântida ... desapareceu nas profundezas do mar." -Platão

Considerando que a maioria dos locais sugeridos para Atlântida estão dentro ou perto do Mediterrâneo, ilhas como Sardenha, Creta e Santorini, Sicília, Chipre e Malta, e quão próspera era a cidade de Pavlopetri, bem como a idade de suas ruínas, muitos chegaram a pensar que está relacionado com a história da Atlântida de Platão.

Referencias: New Scientist / Nautical news / BBC Mundo


Não copie sem autorização, material PROTEGIDO