Um arquivo disponibilizado pelas autoridades de aviação chilena revelou imagens de satélite de um OVNI de 450 quilômetros em 1992

18/01/2021

1992 foi um ano crucial para a ufologia chilena quando um OVNI de 450 quilômetros apareceu no sul do país. Agora, este incidente se tornou oficial após anos de investigação.

Um arquivo desclassificado pelas autoridades da aviação chilena revelou imagens de satélite de um OVNI de 450 quilômetros de diâmetro que sobrevoou o Chile em 1992.

O satélite norte-americano GOES 8 foi quem capturou um objeto elíptico colossal nas proximidades da costa chilena. Porém, o mais surpreendente é que este evento se repetiu mais 2 vezes: em 1996 e em 2006.

Aqueles foram os anos turbulentos também no Brasil, onde uma onda de OVNIs foi vista no Brasil, incluindo o caso varginha.

O OVNI de 450 quilômetros

A possível nave-mãe vem sendo estudada detalhadamente pelas Forças Armadas do Chile em conjunto com diversos pesquisadores, obtendo mais perguntas do que respostas. No entanto, é claro que o objeto estava orbitando a Terra.

A notícia foi divulgada em todo o Sul do país e parte da América Latina, aparecendo em jornais e na mídia impressa.

Lá, foi revelada a informação que as autoridades da aviação chilena trouxeram à luz; a imagem capturada pelo Centro Meteorológico Regional de Antofagasta.

Gustavo Rodríguez, porta-voz da equipe de Aeronáutica Civil do Chile, explicou que várias fotos foram tiradas para descartar qualquer falha de impressão do equipamento.

Como a imagem é tão nítida e delineada, os especialistas concordam que o objeto se movia na mesma velocidade de um satélite; a 3,1 quilômetros por segundo.

Mario Dussuel, investigador civil, disse à imprensa que se tratava de um corpo que não sabiam o que era porque apresentava variações de temperatura. Uma prova de que havia ou há algo no espaço que deve ser investigado.

Os cálculos mostraram que se tratava de um OVNI de 450 quilômetros de diâmetro. Luis Riquelme, pesquisador e colega de Dussuel, acrescentou que não houve intervenção humana. Eles são máquinas impossíveis para o desenvolvimento humano.

O OVNI seria quase uma espécie de cidade voadora, de acordo com as evidências da primeira fotografia. Gerou interferência eletromagnética que se manifestou em faixas reveladas pela ampliação computacional da imagem do satélite GOES 8.

Outras testemunhas do evento

O engenheiro de vôo equatoriano Carlos Naranjo Burbano fez algumas declarações há alguns anos nas quais mencionou o misterioso acontecimento durante a condução de operações aeroespaciais.

Afirmou que ao regressar de um vôo procedente de Santiago do Chile, foram "acompanhados" por um período de 15 minutos por um objeto que não soube classificar.

Além disso, a cerca de 50 milhas de distância, eles puderam ver o OVNI de 450 quilômetros de diâmetro que eles descreveram como uma "cidade satélite".