Segundo novas evidencias Teotihuacan é muito mais avançado e antigo do que se imaginava e pode mudar completamente o passado

04/01/2021

Construtores de Teotihuacan tinham um conhecimento avançado de ciência e engenharia

No coração do centro do México, rodeado por montanhas majestosas e vulcões, está a Bacia do Vale do México. Lá, à vista de todos, está Teotihuacan, um vasto complexo de pirâmides, templos, caminhos elevados e túneis subterrâneos. 


Apesar das recentes tentativas do INAH (Instituto Nacional de Antropologia e História) de alterar seu nome, Teotihuacan significa "Cidade dos Deuses", "O lugar onde os homens se tornam deuses" ou "O lugar onde os deuses foram criados".

A palavra nêmesis é definida como o agente inescapável da queda de alguém ou algo. Teotihuacan é a nêmesis dos paradigmas da história humana acadêmica. Quanto mais a cronologia, a iconografia e a engenharia deste sítio são analisadas, maior a magnitude da devastação infligida à narrativa obsoleta - algo realmente surpreendente aconteceu nesse local no passado.

Mesmo as autoridades reconhecem que as origens e a fundação de Teotihuacan são um mistério. Seu melhor palpite (uma noção tendenciosa, preconcebida e infundada) é que por volta de 300-200 aC, 6.000 mesoamericanos desconhecidos se uniram em um grupo maior e começaram a estabelecer a cidade-estado.

Conforme o que é relatado e teorizado, a pirâmide do Sol foi concluída por volta de 100 DC e toda a cidade atingiu seu pico por volta de 450 DC, abrigando 150-250.000 cidadãos - tornando-a uma das maiores cidades da Terra na época.

Dra. Maya Jimenez resume:

"Os astecas atribuíram nomes e significados aos seus edifícios, mas não tiveram contato com essa cultura anterior muito superior e avançada - os reais construtores. Muito pouco se sabe sobre essas pessoas que construíram Teotihuacan e, como resultado, muito do nosso conhecimento sobre o local, sua arte e cultura de Teotihuacan é derivado de fontes astecas. Em grande parte criada antes de 250 dC, Teotihuacan é um testemunho de seu povo, que construiu a primeira cidade americana em um plano de rede.

Planejamento urbano complexo desde o primeiro dia

Uma pesquisa recente desmentiu a posição de longa data de que Teotihuacan foi construída e reconstruída em estágios ao longo de séculos de expansão. Uma minoria de pesquisadores há muito suspeitava que toda a cidade foi desenvolvida de acordo com um plano mestre original, e isso agora foi confirmado com os avanços na tecnologia LIDAR e a decifração dos "círculos bicados" encontrados em toda a cidade. Esses marcadores permitiram aos engenheiros construir a cidade com alinhamentos geográficos e astronômicos muito precisos; além disso, o rio San Juan foi modificado e desviado para fluir pelo centro da cidade antes de retornar ao seu curso natural.

Todas essas características, os alinhamentos precisos de longitude / latitude, o desvio do rio e o planejamento da rede, são implicações claras de que esses construtores desconhecidos não eram estranhos a tais empreendimentos; não apenas isso, mas eles estavam tramando algo mais do que simplesmente construir um lugar para uma habitação adequada. Em outras palavras, o desvio do rio era absolutamente desnecessário em termos de aproveitamento de água, assim como a orientação e o sistema de rede em termos de necessidade prática.

Materiais Megalíticos

Um crédito para os 'pesquisadores convencionais da história' é um estudo recente sobre a proveniência do calcário em Teotihuacan. Barba e Cordova, em seu estudo de 1999, observam que façanha surpreendente deve ter sido a aquisição, processamento e transporte do calcário. As quantidades são impressionantes e as pedreiras estão entre 60 quilômetros (37 milhas) e 160 quilômetros (99 milhas) de distância.

"A quantidade de gesso de cal usada na cidade é incrível: cálculos preliminares permitiram uma estimativa de pelo menos 12 milhões de metros quadrados de superfícies arquitetônicas em toda a cidade, cobertas com gesso de cal." Ao contrário da egiptologia, em que as técnicas de construção são calorosamente debatidas, a construção de Teotihuacan é tão misteriosa que os supostos especialistas preferem ficar em silêncio sobre o assunto na tentativa de varrer um complexo de pirâmides gigantes para baixo do tapete.

A assustadora visão da cronologia de Teotihuacan

Há evidências arqueológicas substanciais de que o Vale do México foi habitado em tempos extremamente antigos. Tlapacoya é o sítio mais antigo estudado no vale. Restos humanos ao lado de adagas de obsidiana (que devem ser mineradas) foram datadas de 20.000 aC e, naturalmente, essas datas são contestadas pelas autoridades prevalecentes por causa do dano irreparável feito ao seu paradigma.

A Pesquisa do Dr. Mark Carlotto

O Dr. Mark Carlotto é um engenheiro aeroespacial veterano formado pela Carnegie-Mellon University e é um especialista em imagens de satélite, reconhecimento de padrões, bem como processamento de sinais e imagens. Carlotto fez uma abordagem mais literal da cronologia "mitológica" mesoamericana. Esta cronologia afirma que houve uma série de cataclismos e cada um corresponde à destruição de uma era da civilização humana. Esta série de civilizações é conhecida hoje na visão de mundo mesoamericana como a "Lenda dos Cinco Sóis".

Carlotto combina esta abordagem semi literal com a teoria de deslocamentos crustais de Charles Hapgood, endossada por Albert Einstein, e afirma que os pólos magnéticos da Terra mudam periodicamente, alterando o eixo da Terra, causando estragos ecológicos e potencialmente erradicando civilizações antigas. Hapgood foi capaz de determinar matematicamente com relativa precisão as posições dos pólos anteriores, e o alinhamento preciso de Teotihuacan aponta diretamente para o pólo da Groenlândia, que era o Pólo Norte entre 130.000-83.000 aC.

Paradigmas mundiais da cronologia antiga

As culturas antigas da Mesopotâmia ao Egito, à Índia e até a China registraram em grande detalhe o que os estudiosos modernos consideram como 'histórias mitológicas' - no entanto hoje esta claro que muitos mitos são de fato REAIS. Enquanto isso "o paradigma acadêmico moderno afirma inflexivelmente que na África a espécie humana hominídea divergiu dos macacos em algum lugar entre 2-4 centenas de milhares de anos atrás, eventualmente desenvolvendo-se no final tudo devido à culminação evolutiva: o grande Homo sapiens."

Os humanos modernos então abandonaram a caça e a coleta em favor da agricultura cerca de 15.000 a 30.000 anos atrás. Mas, de acordo com textos como a Lista dos Reis Sumérios ou o Papiro Egípcio de Turim, as divindades estabeleceram a civilização 200.000 - 300.000 anos atrás por meio de dinastias semideuses (híbridos humanos / divindades) e foram eles que ergueram muitos monumentos espetaculares na pré-história - o que tem muito sentido atualmente com algumas descobertas 'fora do lugar' de tecnologias realmente avançadas no passado.

Curiosamente, as últimas partes dessas listas são confirmadas por especialistas como precisas, mas à medida que as listas vão mais longe e se tornam mais bizarras, os especialistas insistem que é nessas partes que os textos se tornam 'mitológicos'. Igualmente interessantes são os paralelos entre essas listas de reis transculturais e como elas geralmente se alinham com o surgimento das espécies hominíneas e homo sapiens há muito tempo.

Conclusões?

Pode-se especular razoavelmente que quem quer que tenham sido esses construtores de elite, eles tinham conhecimentos avançados em física, química, engenharia, planejamento urbano ou geologia, e eles estavam fazendo muito mais do que a construção de uma cidade próspera.

Também está dentro do raciocínio objetivo sugerir que toda a cronologia em relação ao desenvolvimento da civilização humana está em TOTAL necessidade de reavaliação, e uma vez que as autoridades científicas não estão dispostas a fazê-lo, cabe aos pesquisadores independentes usar cada átomo de sua imaginação, razão, e recursos, para resolver esses mistérios e iluminar as origens da humanidade.

Fonte