O misterioso templo subterrâneo invertido com representações de misteriosos deuses vindos do céu, na Índia: Sinais de conhecimento avançado

"Toda essa estrutura misteriosa está abaixo do solo. Da planície, conforme você se aproxima, ele desce de repente. Foi desenhado como um templo invertido com quatro pavilhões em vários níveis. Ao descer sete níveis, você passa por painéis escultóricos do mais avançado conhecimento artística"

Rani ki Vav ou Ranki vav ('Poço das escadas da Rainha') é um poço situado na cidade de Patan, no estado de Gujarat, na Índia. Ele está localizado nas margens do rio Saraswati.

Sua construção é atribuída a Udayamati, filha de Khengara de Saurashtra, rainha da dinastia Solanki do século 11. Assentada, foi redescoberta na década de 1940 e restaurada em 1980 pelo Serviço Arqueológico da Índia.

O local foi listado como um dos locais do Patrimônio Mundial da UNESCO desde 2014.

Sem sombra de dúvida o melhor e um dos maiores exemplos de seu tipo e projetado misteriosamente como um templo invertido destacando a santidade da água.

História

Rani ki vav foi construído durante o governo da dinastia Chaulukya. Acredita-se que foi construído em memória de Bhimdev I (1022-1063), filho de Mularaja, o fundador da Dinastia Solanki de Anahilwada Patan, em cerca de 1050 pela sua rainha viúva Udayamati e provavelmente completado por Udayamati e Karandev I após sua morte.

Na década de 1940, as escavações realizadas sob o Estado de Baroda revelaram o poço das escadas. Em 1986, a maior escavação e restauração foi realizada pelo Archaeological Survey of India (ASI).

Arquitetura avançada

Rani ki vav é considerado o melhor e um dos maiores exemplos de arquitetura em Gujarat - muito a frente de seu tempo. Foi construído no auge da habilidade dos artesãos, refletindo claramente o domínio dessa técnica complexa e consideravelmente avançada e a beleza de detalhes e proporções.

As paredes, pilares, colunas, suportes e vigas são ornamentados com entalhes e arabescos. Os nichos nas paredes laterais são ornamentados com belas e delicadas figuras e esculturas. Existem 212 pilares no poço das escadas

Existem mais de 500 esculturas principais e mais de mil menores que combinam imagens religiosas, mitológicas e seculares, muitas vezes fazendo referência a obras literárias. A ornamentação do poço das escadas retrata todo o universo habitado por deuses e deusas; misteriosos seres celestiais; homem e mulher; monges, padres; animais, peixes e pássaros, incluindo os reais e míticos; bem como plantas e árvores.

O poço das escadas foi projetado como um santuário subterrâneo ou templo invertido. A maioria das esculturas são em devoção à Vishnu na forma dos avatares Kalki, Rama, Mahisasurmardini, Narsinh, Vaman, Varahi e outros representando o seu retorno ao mundo.

Vishnu, antigos astronautas?

Vixnu, Vishnu, ou Vixenu (em sânscrito: विष्णु; romaniz.: Viṣṇu; da raiz sânscrita viṣva, "tudo") é um dos deuses principais do hinduísmo, responsável pela sustentação do Universo. Juntamente com Shiva e Brahma, forma a trimúrti, a trindade sagrada do hinduísmo.

Nas duas representações mais comuns de Vixnu, ele aparece curiosamente flutuando sobre ondas em cima das costas de um deus-serpente chamado Shesh Nag, ou flutuando sobre as ondas com seus quatro braços, cada mão segurando um de seus atributos divinos: uma concha, um misterioso disco de energia, um lótus e um cajado.

A concha se chama Pantchdjanya e possui todos os cinco elementos da criação: ar, fogo, água, terra e éter. Quando se assopra nessa concha, pode se ouvir o som que deu origem a todo o universo, o Om.

O disco ou roda de energia de Vixnu se chama Sudarshana e representa o controle dos seis sentimentos, servindo de ARMA para cortar a cabeça de qualquer demônio.

O lótus de Vixnu se chama Padma. É o símbolo da pureza e representa a verdade por trás da ilusão.

O cajado de Vixnu se chama Kaumodaki e representa a força da qual toda a força física e mental do universo são derivadas.

Segundo o hinduísmo, Vixnu vem ao mundo de diversas formas, chamadas avatares, que podem ser humanas, animais ou uma combinação dos dois. Todos esses avatares aparecem ao mundo, quando um grande mal ameaça a Terra; no total, existem dez avatares de Vixnu, dos quais nove já se manifestaram no nosso mundo - sendo Rama e Críxena (Krishna) os mais conhecidos - e outro ainda está por vir.

Seu misterioso veículo (avançado?) é Garuda, a águia gigante. Vixnu tem uma forte relação com a água (Nara), tanto que um de seus nomes é Narayana, aquele que FLUTUA sobre as águas. Ele é representado ao lado de uma serpente com muitas cabeças. Do seu umbigo, nasce uma flor de Lótus da qual emerge Brama, o deus criador do universo.

Outros sinais de conhecimento avançado..

A água do poço funcionava como o ar condicionado natural, diminuindo o calor e esfriando a brisa.

Por volta de 50, 60 anos atrás, havia plantas ayurvédicas nesta área e a água acumulada no Rani ki kav era considerada curativa para doenças virais, febre, etc.