O misterioso ser que teria visitado vários povos antigos... Seres alienígenas???

28/01/2021

Divindade Hydra de sete cabeças, adorada em civilizações antigas de todo o mundo...

Vimos em publicações anteriores que muitas civilizações antigas tinham conhecimentos em comum, não apenas na construção de seus monumentos e templos (por exemplo, as pirâmides), mas também nos deuses que adoravam. 

Em várias culturas antigas foi possível encontrar imagens esculpidas de deuses muito semelhantes, como se o mesmo deus tivesse sido adorado em todos esses lugares, apesar de estarem separados por milhares de quilômetros ou por milhares de anos.

Como explicar isso? Foi a mesma entidade que "viajou" ao redor do mundo visitando muitas civilizações?

Um desses casos é um petróglifo que foi encontrado na Sibéria, e que mostra uma criatura com sete cabeças e de tamanho aparentemente enorme, e que por suas características se assemelha a uma Hidra (Hydra), aquele monstro mitológico com sete cabeças.

Os pesquisadores fizeram uma descoberta bastante surpreendente aqui. Acontece que mesmo nos tempos antigos, gregos e astecas adoravam a mesma divindade de sete cabeças.

Depois de estudar durante vários anos os petróglifos, descobriu-se que no panteão de várias civilizações havia uma criatura misteriosa representada na forma de uma hidra de sete cabeças.

Foi dada atenção imediata a esta conexão extraordinária entre essas culturas, pois esta imagem não pode ser confundida facilmente, esta é a hidra de sete cabeças que Menorá descreveu na Bíblia, assim como uma divindade indiana e muitos outros exemplos de pessoas do mundo antigo. Uma ilustração de um monstro de sete cabeças também foi descoberta em Altai. Acredita-se que tenha sido criado há cerca de cinco mil anos.

Veja a imagem a seguir. No canto inferior esquerdo da imagem você pode ver a inscrição rúnica: Manaka. À direita está uma árvore, um símbolo da Via Láctea, que também era um símbolo sagrado dos turcos.

Depois de estudar o panteão asteca, imagens quase idênticas de outra criatura com sete cabeças de serpente foram encontradas.

Veracruz, México.

Esta imagem pode ser encontrada em templos antigos em todo o México. Resumindo, é uma criatura com sete cabeças de serpente. 

Uma adição interessante a esta história é a existência de uma divindade asteca da fertilidade chamada Chicomecōātl, cujo nome traduzido significa sete serpentes.

Chicomecōātl, deusa cujo nome significa 7 cobras

Ela era uma deusa-mãe que usa o sol como escudo. Observe que seu protetor solar se parece exatamente com a imagem do sol no petróglifo siberiano abaixo.

Petróglifo siberiano representando um protetor solar.

Entretanto, isso não é tudo. Existem também correlações interessantes no hinduísmo. Existe uma deusa da fertilidade, que às vezes é descrita como uma mulher cuja cabeça está rodeada por sete cobras.

Ela é chamada de deusa Manasá, portanto, pelo menos a primeira parte de seu nome corresponde à inscrição no petróglifo (repare na imagem abaixo)

Deusa Manasá 

No hinduísmo, a deusa Manasa Devi ou Mansa Devi é considerada a rainha das cobras, cujo culto é muito popular no leste da Índia, e especialmente em Bengala, Jharkhand e Orissa. O culto Manas Devi, segundo os pesquisadores, é um dos mais antigos cultos da Índia.

Essas relações inesperadas entre culturas distantes podem indicar que os nômades eurasianos estão envolvidos no reassentamento da América.

Na Eurásia, a divindade de sete cabeças também era adorada pelos assírios e sumérios, que chamavam a serpente de Mushman. Afinal, a mitologia grega também conta a história da Hidra de Lerna morta por Hércules.

O nome Hydra está associado à água. Na mitologia indo-européia, cobras e dragões eram os guardiões da água. O herói deve derrotá-los para liberar a água e restaurar a fertilidade da Terra.

No entanto, surge a pergunta: por que os nômades adoram essa divindade de sete cabeças? Desde os tempos antigos, as pessoas conhecem a constelação de Hydra, cujo pico é formado por sete estrelas brilhantes.

Chicomecōātl como a constelação de Virgem

De acordo com os nômades, foi esse dragão celestial que criou a Via Láctea. Histórias sobre a deusa-mãe poderiam dar a ela o status de criadora do mundo como um todo. Claro, há quem também faça uma análise literal dessas lendas. Portanto, o conceito da deusa estelar, associado às cabeças das serpentes, pode causar associações com os famosos Annunaki sumérios e a teoria dos paleocontatos associados a eles.

Conclusões

Como se espalhou em todo mundo o símbolo de uma "divindade" de sete cabeças que vemos no petróglifo de 5.000 anos naqueles dias em que os povos não podiam entrar em contato uns com os outros? Será que um ser avançado foi observado por todas essas civilizações?