O maior encobrimento do Egito: câmaras ocultas e uma possível segunda esfinge...

26/01/2021

Nossa atenção hoje está voltada para a última tentativa de esconder a verdadeira história antiga de uma civilização avançada que nos deixou com grandes maravilhas acima e abaixo das areias do planalto de Gizé.

Antiga cidade perdida desenterrada no Egito

As primeiras notícias de uma 'Cidade Secreta' chegaram ao World Press na primeira semana de março de 1935. 

A descoberta de uma cidade perdida no Egito foi relatada em muitos jornais em 1935, incluindo este relatório no Sunday Express em 7 de julho de 1935 (domínio público)

Em julho daquele ano, muito mais foi encontrado e o Sunday Express publicou um artigo de Edward Armytage, que acabara de retornar do Egito à Inglaterra onde ele assistiu à escavação de uma antiga cidade egípcia que se pensava ter datado de 4000 anos atrás.

Silêncio da mídia

.....então veio o silêncio, como se todos os egiptólogos vivos tivessem perdido todo o interesse por esta maravilhosa metrópole subterrânea. Todos os seus artigos durante os anos que se seguiram foram centrados em tumbas de rainhas e flechas.

É muito estranho que uma descoberta tão imensa de uma cidade subterrânea inteira datando de pelo menos 4.000 anos tenha sido completamente ignorada de um momento para o o outro.

Negação de descobertas anteriores

Isso foi há cerca de oitenta anos e hoje nos deparamos com uma 'parede de blocos de granito' semelhante, na pessoa do ex-Ministro de Estado para Assuntos de Antiguidades, Zahi Hawass, que ocupou esse cargo até a revolução do Egito em 2011, que derrubou Hosni Mubarak - e também encerrou o reinado controverso de Hawass como o chefe supremo de todas as antiguidades do Egito.

No entanto, ele ainda tem seu "poder", por assim dizer - e não é pouco poder. Muito tem sido escrito sobre o egípcio 'Indiana Jones' (Zahi Hawass), que apresenta um grande sorriso em um momento, mas fica vermelho de raiva no momento seguinte, quando qualquer pergunta indesejada é feita a ele. Esse lado de seu personagem está bem documentado no livro de Robert Bauval e Ahmed Osman, "Breaking the Mirror of Heaven".

No entanto, tal temperamento não explica devidamente por que Zahi Hawass anunciou publicamente que não há nada abaixo da Esfinge, nem túnel ou uma única câmara, quando há muitas fotos dele entrando nos poços descendentes da cabeça da Esfinge e em outra na parte posterior do corpo do leão. Devemos esquecer completamente o que vimos várias vezes no passado e aceitar tais negações sem questionar?

Zawi Hawass examinando uma câmara na parte traseira da esfinge

Declarações contradizem evidências fotográficas

Aparentemente, ele ignorou tais indagações sobre túneis escondidos sob o planalto de Gizé e câmaras sob a Esfinge, dizendo que não era possível olhar mais fundo, pois as câmaras estavam bloqueadas ou cheias de água. Esse pode muito bem ser o caso, embora possamos ver em uma das fotos que mostra um eixo posterior descendente do lado da Esfinge que o chão lá embaixo está bastante seco.

Sabemos que Hawass desceu as escadas da entrada traseira da Esfinge, em uma câmara profunda e, em seguida, ainda mais para baixo para uma câmara inferior que aparentemente continha um sarcófago muito grande e que estava cheio de água, estas cenas estão todas em um documentário feito pela Fox

É difícil imaginar como ele poderia mais tarde negar tudo o que havia dito e realizado anteriormente.

Zawi Hawass descendo por um poço em direção a uma câmara cheia de água que continha um grande sarcófago. Crédito: Fox

Um buraco na cabeça da esfinge

O esboço da esfinge de Vivant Denon em 1798 retrata um homem sendo puxado para fora de um buraco na cabeça da esfinge (domínio público)

Por volta de 1798, Vivant Denon gravou uma imagem da esfinge (desenhou), embora ele não a tivesse copiado com total precisão. No entanto, ele sem dúvida sabia que havia um buraco no topo de sua cabeça, pois havia desenhado a imagem de um homem sendo puxado para fora.

Foto aérea da década de 1920 mostra um buraco na cabeça da esfinge (domínio público)

Um esboço dificilmente pode ser usado como prova, mas na década de 1920 uma foto aérea da esfinge tirada de um balão de ar quente mostrou que existe essa abertura no topo de sua cabeça.

O Enigma da Cabeça da Esfinge

De acordo com Tony Bushby em seu "The Secret in The Bible", um cilindro sumério fragmentado conta uma história que poderia facilmente ser interpretada como tendo acontecido em Gizé, envolvendo uma besta que tinha uma cabeça de leão com uma entrada de túnel escondida pela areia.

Um novo estudo agora aponta que o corpo da Esfinge foi esculpido em pedra natural quando havia chuvas fortes frequentes e isso nos leva de volta ao mesmo tempo que Robert Bauval e Robert Schoch calcularam a construção das Pirâmides do 'Cinturão de Orion', ou seja, cerca de 10.450 BC.

Duas esfinges?

Platô de Gizé com o segundo monte de esfinge enterrado.

Existem esboços do complexo de Gizé (a palavra Gisa em egípcio antigo significa "Pedra Hewn") desde 1665 e alguns mostram duas cabeças 'espiando' para fora da areia, uma geralmente com características femininas.

Era uma prática egípcia antiga inscrever dois leões, que eles chamavam de Akerw (imagem acima), próximos às suas portas para proteção celestial e que nos levaria diretamente a um misterioso monte perto da esfinge, que Gerry Cannon (Livro: The Giza Plateau Secrets and a Second Sphinx Revealed) identificou e mediu. Poderia este monte conter o corpo enterrado de uma segunda esfinge?

Alguém poderia pensar que esta forma misteriosa, grande e coberta tão perto da esfinge teria sido saudada com grande entusiasmo pelas autoridades egípcias, mas Hawass e Mark Lehner não quiseram ouvir ou dar atenção a isso, de acordo com uma fonte.

Gerry havia contatado alguém em um renomado instituto no Cairo que tinha equipamentos que podiam detectar objetos sob a areia. Essa pessoa solicitou uma licença ao então Conselho Supremo de Antiguidades para investigar o monte, mas eles não responderam. Aparentemente, ninguém mais recebeu licença para investigar a área específica do monte onde acreditamos que uma Segunda Esfinge poderia ser desenterrada. Sem dúvida, eles tinham uma razão para isso!


Por que a negação?


Por que aqueles dois egiptólogos ficariam tão alarmados com a sugestão de que havia algo que havia sido esquecido por séculos? É possível que eles não queiram revelar algo sob aquele monte? Não é razoável que alguém tenha tanta objeção a qualquer tipo de sonda ou mesmo uma simples fotografia aérea sendo tirada, o que poderia levar à descoberta de mais uma incrível maravilha do mundo e uma maravilha que atrairia muitos mais milhares de turistas ao Egito. Eles nem mesmo admitem ter examinado o monte misterioso por si próprios e, certamente, se isso tivesse sido feito, eles seriam os primeiros a dizer isso.

Zahi Hawass parece ter uma agenda, que é manter o entendimento convencional da história egípcia antiga (não deixar que nada mude o rumo da historia convencional), não importa quantas novas descobertas contradigam o que atualmente se acredita ser verdade. 

Pesquisas de Gerry Cannon

Gerry já se inclinou para um prazo para a construção das três grandes pirâmides, bem como a Esfinge, sendo muitos milhares de anos mais velha do que muitos de nós fomos levados a acreditar. 

Ele também descobriu um monte inexplorado no planalto de Gizé, onde provavelmente outra esfinge está enterrada segundo vários registros antigos e evidencias apontadas por ele. (Fonte de todas as informações: Ancient Origins)