O incomum fenômeno que imobiliza barcos no meio do oceano..

30/12/2020

A força misteriosa que segurou o navio impediu os marinheiros experientes de manobrar por vários minutos.

O capitão não conseguia acreditar: seu barco mal se movia na superfície da água, embora os motores estivessem em plena velocidade.

Por vários minutos, foi como se uma força sobrenatural tivesse assumido o controle da nave sem deixá-la se mover. Quando finalmente conseguiu se libertar do que parecia um bloqueio sobrenatural, ele batizou o fenômeno de "água morta".

O primeiro encontro com "água morta"

A experiência arrepiante que acabamos de mencionar não vem de um filme de ficção científica. Foi narrado em detalhes pelo explorador norueguês Fridtjof Nansen depois de partir em uma expedição ao Polo Norte em 1893. Suas intenções eram alcançar fama mundial por quebrar o recorde de latitude norte.

Agora, o que Nansen e sua tripulação não sabiam é que no meio do oceano eles encontrariam uma estranha anomalia que faria com que todos ficassem de cabelos em pé. A força misteriosa que segurou o navio impediu os marinheiros experientes de manobrar por vários minutos.

Uma possível explicação?

Levou onze anos depois que Nansen contou sua experiência com 'águas mortas' para que a comunidade científica chegasse a uma possível explicação para o mistério. Em 1904, o físico e oceanógrafo sueco Vagn Ekman realizou uma série de experimentos em seu laboratório para entender a estranha anomalia.

Ekman foi capaz de verificar que as ondas formadas nas águas frias do Oceano Ártico abaixo da superfície eram cercadas por correntes de água salgada e água doce.

As duas correntes de água têm densidades diferentes e, ao interagirem com o barco, geram grande resistência. O fluxo de água doce veio das geleiras derretidas, criando um choque de densidade capaz de produzir ondas de arrasto.

O mistério da "água morta" é aprofundado

Agora, Ekman percebeu que o efeito produzido era uma pequena oscilação na velocidade do barco - no entanto diferente do relatado por Nansen. Em vez disso, as observações de Nansen descreveram uma redução na velocidade, mantendo-a constante e anormalmente baixa. Essa discrepância não pôde ser explicada naquele momento.

Recentemente, com os avanços da ciência e a aplicação da tecnologia em laboratórios altamente equipados, foi possível entender como funciona o efeito da água morta. Uma equipe interdisciplinar do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica e da Universidade de Poitiers acredita ter talvez desvendado o mistério.

Uma possivel 'esteira rolante'..

Matemáticos franceses e especialistas em mecânica dos fluidos concluíram que as variações de velocidade descritas por Ekman se devem a ondas que agem como uma espécie de esteira rolante. Este efeito faz com que os navios se sintam presos.

Um fenômeno ainda misterioso que acontece em muitas outras águas

Além de ser observada em águas glaciais, a "água morta" também pode ser encontrada em todos os mares e oceanos onde se misturam águas de densidades diferentes. Da mesma forma, a colisão de correntes de água com diferentes temperaturas também gera um efeito muito semelhante.