NASA detecta um "zumbido" vindo de além do Sistema Solar

12/05/2021

Quase uma década atrás, a espaçonave Voyager 1 da NASA deixou a borda externa de nosso sistema solar para entrar no espaço interestelar. Foi a primeira vez que uma espaçonave o fez, o culminar de quase 35 anos de viagens espaciais.

Agora, os pesquisadores estão investigando todos os dados fascinantes que estão retornando à Terra e descobriram algo estranho: um "zumbido" de fundo além da borda de nosso sistema.

"Estamos detectando o zumbido persistente e fraco do gás interestelar", disse Stella Koch Ocker, estudante de doutorado em astronomia em Cornell e autora principal de um novo artigo publicado na Nature Astronomy, em um comunicado.

"É muito fraco e monótono, porque está em uma largura de banda de frequência estreita." Conforme a Voyager 1 viajava da 'heliopausa' (a fronteira entre nosso sistema solar e o espaço interestelar) em direção ao meio interestelar, seus instrumentos científicos detectaram um fluxo constante de ondas de plasma.

A informação pode nos permitir obter um melhor entendimento da forma da heliosfera, a bolha protetora ao redor do Sistema Solar, e como ela é influenciada por este choque constante de gás interestelar.

O sistema de ondas de plasma da Voyager 1 detectou uma mudança nos gases assim que cruzou a heliopausa. Entre os episódios de fortes erupções solares causadas pelo Sol, havia esse "zumbido" contínuo, um som característico de gases interestelares.

"O meio interestelar é como uma chuva calma ou suave", disse o co-autor James Cordes. "No caso de uma explosão solar, é como detectar um relâmpago em uma tempestade e depois voltar a ser uma chuva leve."

"Nunca tivemos a oportunidade de avaliar [a densidade do espaço interestelar]", acrescentou Shami Chatterjee, outro signatário do estudo. "Agora sabemos que não precisamos de um evento aleatório relacionado ao sol para medir o plasma interestelar."

Mesmo que a Voyager 1 esteja a 23 bilhões de quilômetros de distância - ou 150 vezes a distância entre a Terra e o Sol - os cientistas ainda podem ter uma visão tentadora de como o espaço se parece fora de nosso próprio sistema estelar.

Futuras missões ao espaço interestelar ajudariam a esclarecer o que está acontecendo lá, e a NASA tem planos para tal missão, viável, em 2030.


Fonte: Mystery Planet