As máquinas dos deuses: existiam robôs e maquinas nos tempos antigos?

Enkidu descreve o que poderíamos considerar atualmente como uma espécie de robô, com sistemas de radar e equipados com armas que emitem fogo, gases radioativos e campos magnéticos paralisantes....

Robôs com inteligência artificial existiam nos tempos antigos? Os mitos e lendas sobre as misteriosas máquinas são apenas produtos da imaginação humana? Neste artigo faremos uma breve revisão da mitologia antiga do ponto de vista tecnológico e à luz da hipótese do antigo astronauta.

Os historiadores costumam remontar a ideia de autômato à Idade Média, quando os primeiros dispositivos automáticos de movimento foram inventados, mas o conceito de criaturas reais e artificiais pode ser remontado a mitos e lendas há milhares de anos.

Grécia Antiga

Inteligência artificial, robôs e objetos que se movem sozinhos aparecem na obra dos antigos poetas gregos Hesíodo e Homero, que viveram entre 750 e 650 anos antes de Cristo.

Por exemplo, a história de Talos, mencionada pela primeira vez por volta de 700 a.C. por Hesíodo, ele oferece o que poderia ser descrito como a concepção de um robô.

O mito descreve Talos como um homem gigante de bronze construído por Hefesto, o deus grego da invenção e da forja. Talos foi encomendado por Zeus, o rei dos deuses gregos, para proteger a ilha de Creta dos invasores. Ele marchava ao redor da ilha três vezes por dia e atirava pedras nos navios inimigos que se aproximavam.

Em seu núcleo, o gigante tinha um tubo que ia da cabeça até um dos pés que carregava uma misteriosa fonte de vida dos deuses que os gregos chamavam de ichor. Outro texto antigo, Argonáutica, datado do século III a.C., descreve como a feiticeira Medéia derrotou Talos removendo um parafuso de seu tornozelo e deixando o líquido ichor escorrer.

O mito de Pandora, descrito pela primeira vez na Teogonia de Hesíodo, é outro exemplo de um "ser artificial". Embora muitas versões posteriores da história retratem Pandora como uma mulher inocente que sem saber abriu uma caixa do mal, o original de Hesíodo retrata Pandora como uma mulher maligna totalmente artificial construída por Hefesto e enviada à Terra sob as ordens de Zeus para "Punir os humanos".

Além de criar Talos e Pandora, o mítico Hefesto fez outros objetos que se moviam por conta própria, incluindo um conjunto de criados automáticos, que pareciam mulheres, mas eram feitos de ouro. De acordo com o relato de Homero sobre o mito, Hefesto deu a essas mulheres artificiais "conhecimento dos deuses" (inteligência artificial).

China antiga

Diz-se que Chi You tinha um corpo humano, quatro olhos e seis pernas. Como se fosse uma antena, uma protuberância projetava-se de sua cabeça. Segundo o livro Shuyiji (述 異 記), seus oitenta e oito irmãos tinham a mesma forma animal, mas com cabeças de bronze e ferro. Todos eles "se alimentaram" de pedras e areia.

Chi You foi executado pelo mítico imperador amarelo Huangdi, após uma batalha épica envolvendo um dragão (nave voadora?), poderes mágicos e "raios de tempestade" como armas. Sua cabeça foi enterrada por seus seguidores em uma caverna, onde ele foi adorado pelos habitantes locais. Seu túmulo irradiava uma nuvem vermelha de vez em quando.

O imperador Huangdi, por outro lado, as lendas concedem propriedades como ser imortal, o deus da montanha Kunlun e o centro da Terra. Ele tinha um dragão alado chamado Huang Ti, cujo corpo brilhava como metal. Mas apesar de ter asas, este dragão só poderia voar nas condições climáticas adequadas. Diz a lenda, por exemplo, que um dia o imperador "embarcou" na criatura, mas ela não conseguiu decolar devido a um furacão - uma circunstância muito estranha, considerando que os dragões eram considerados protetores da chuva e do tempo.

A "anomalia" descrita no parágrafo anterior pode ser compreendida sob a visão tecnológica, que consideraria o "dragão" uma espécie de protótipo de máquina voadora. De acordo com relatos antigos, esse "dragão" podia transportar até setenta passageiros.

Suméria Antiga

Esta é provavelmente a menção mais remota e distante de um robô. E se voltarmos ao passado mais distante, a Suméria e a Epopéia de Gilgamesh inevitavelmente emergem. Gilgamesh era um rei semidivino de Uruk. Ele era considerado "dois terços divino e um terço humano", o que não lhe garantia a imortalidade, por isso, diante da incerteza, decidiu procurá-la ele mesmo.

Para a sorte dele, Enkidu, um ex-rival que virou amigo, sabia como chegar à morada secreta dos deuses. Enkidu disse a Gilgamesh que certa vez vagou pela montanha de cedros e sabia da entrada subterrânea que levava à residência do deus Shamash. Mas ele o advertiu do perigo de chegar lá.

Um monstro sinistro guardava a entrada dos deuses. Seu nome era Huwawa, "o porteiro de Shamash".

É assim que Enkidu descreveu o monstro: "Huwawa é uma máquina extraordinariamente construída. Seu rugido é como uma inundação, sua boca é fogo, seu hálito é a morte ... Ele pode ouvir uma vaca se movendo a sessenta léguas e sua rede pode capturar de uma grande distância ... A fraqueza se apodera de quem se aproxima das portas da floresta".

Longe de ficar assustado, Gilgamesh pedia a seu amigo que o acompanhasse para lutarem juntos e ficarem diante da morada secreta dos deuses, e assim reivindicar a imortalidade legítima que ele acreditava pertencer a ele por ter sangue divino.

Depois de percorrer uma longa distância para o oeste e entrar na floresta, Enkidu conseguiu encontrar a porta, mas quando ele tentou abri-la uma força invisível o sacudiu com uma descarga violenta que o fez voar pelo ar, algo que o paralisou fisicamente por doze dias.

Quando finalmente se recuperou, ele tentou convencer Gilgamesh a retornar, mas sem sucesso. O monarca estava determinado a encontrar a imortalidade, então ele foi em frente e encontrou um túnel de entrada. Quando eles começaram a remover árvores e pedras para acessar o interior, o monstro Huwawa apareceu.

"A sua aparência era poderosa. Os seus dentes eram como os de um dragão, o seu rosto como o de um leão, mas o mais temível era o seu raio radiante, que emanava da testa, devorando árvores e arbustos, da sua força assassina ninguém escapava."

Huwawa traçou um caminho de destruição com seu feixe assassino, então poderia ser uma espécie de feixe de laser de longo alcance.

Porém, e já temendo o pior do final, eles receberam ajuda do alto. O deus Shamash, a bordo de seu navio voador (nave espacial!?), "levantou um vento" que chamou a atenção do monstro e o paralisou. Gilgamesh aproveitou a oportunidade para fazer Huwawa cair no chão. "Por duas léguas os cedros ressoaram, tão pesada foi a queda do monstro."

Finalmente, Enkidu deu o golpe de misericórdia para Huwawa.

Fonte Principal: https://mysteryplanet.com.ar/site/las-maquinas-de-los-dioses-hubo-robots-en-la-antiguedad/?fbclid=IwAR3J4DapjnyV6EGSD5FnuZssdKeWzxxQiG-QJb0--s-ngOfBcJvq9CwFs0U