Um objeto semelhante a uma antena é encontrado no fundo do mar Antártico

16/03/2023

Uma estranha descoberta veio à tona há alguns anos: algo semelhante a uma antena no fundo do mar da Antártida. Eles a chamaram de Antena Eltanin.

Será que poderia ser parte de um dispositivo tecnológico usado por uma civilização antiga avançada??

Pode parecer complexo pensar dessa maneira, mas até mesmo os pesquisadores mais céticos estão começando a repensar sobre as antigas civilizações avançadas no passado e abrindo a mente para as diversas possibilidades.

De pirâmides submersas a centenas de objetos estranhos detectados em imagens de satélite, a Antártida continua sendo a região menos visitada e menos acessível do mundo.

Por isso não é de se estranhar que no lugar mais isolado do mundo, sob pelo menos três ou cinco quilômetros de gelo, existam artefatos incríveis esperando para serem encontrados.

De acordo com registros fósseis, a Antártida era um paraíso tropical há milhões de anos, coberto de florestas tropicais, lagos, plantas e todo tipo de espécie. Essa descoberta fez vários estudiosos levantarem varias teorias sobre o passado da Antártida.

Isso levou muitas pessoas a concluir que, em algum momento no passado distante, a Antártida foi o lar da civilização mais antiga da Terra e que todas as estranhas descobertas feitas lá são apenas reminiscências de sua existência.

Talvez nunca saibamos o que há sob os três quilômetros de gelo da Antártida, mas talvez não precisemos explorar sob o gelo. E se, em vez disso, olhássemos para o fundo do mar perto da costa? Será que poderemos encontrar algo fora do comum?

O USNS Eltanin, um navio de pesquisa oceanográfica tecnologicamente avançado, foi construído pela Fundação Nacional de Ciências dos Estados Unidos em 1962. Foi o primeiro navio geofísico do mundo e foi encarregado da pesquisa da Antártida e suas águas circundantes.

Nos dois anos seguintes, o navio trouxe de volta uma riqueza de dados anteriormente desconhecidos e lançou muita luz sobre nossa compreensão da região. No entanto, alguns mistérios foram descobertos nas profundezas do oceano.

Em 29 de agosto de 1964, o USNS Eltanin estava fotografando o fundo do oceano a oeste do Cabo Horn a uma profundidade de quase quatro quilômetros quando um dos maiores mistérios da Antártica foi descoberto.

O que eles descobriram os surpreendeu. Eles conseguiram fotografar uma estrutura estranha no meio do nada ao longo do fundo do mar. A estrutura tinha 60 cm de altura, era simétrica e apresentava nódulos, raios e protuberâncias. Parecia uma antena ou algum tipo de transmissor de sinal.

Cientistas e pesquisadores ficaram surpresos quando as fotografias foram publicadas pela primeira vez no New Zealand Herald em 5 de dezembro de 1964, em um artigo intitulado "Puzzle Picture of the Seabed".

Durante anos, o objeto ambíguo foi discutido e debatido com entusiasmo, dando origem ao mistério da chamada "Antena Eltanin".

Muitas pessoas pensaram que era um objeto extraviado de uma civilização antiga que anteriormente habitava o continente sem gelo da Antártida. Os pesquisadores acreditam que essa civilização deixou inúmeros artefatos e restos estruturais sob os três quilômetros de gelo que atualmente cobrem o continente. Como o fundo do mar perto da Antártida é o único fundo não coberto por gelo, podemos descobrir evidências de sua presença lá.

Outros pesquisadores sugeriram outra coisa, acreditando que o objeto enigmático era algum tipo de "tecnologia alienígena" propositalmente colocada em um local tão distante e solitário para transmitir sinais para outro mundo e talvez o mapeamento de planetas.

Em 1968, o autor Brad Steiger afirmou em um artigo para a revista Saga que Eltanin havia fotografado "uma incrível peça de maquinário ... muito parecida com um cruzamento entre uma antena de TV e uma antena de telemetria".

Mistério sem solução

Alguns especialistas, tentando descartar qualquer tipo de mistério em relação à Antena Eltanin, postularam que era apenas uma esponja subaquática. Afirmaram que a imagem representada é da Chondrocladia concrescens.

Essa ideia tem uma série de falhas. A chamada antena Eltanin, por exemplo, é extremamente geométrica e tem ângulos e formas definidas, o que não se pode dizer das esponjas marinhas com as quais ela se assemelha. Outro problema com esse conceito é que Chondrocladia concrescens vive em colônias e se reproduz rapidamente.

Outro problema é que a fotografia de Eltanin foi obtida a uma profundidade de exatamente 4 quilômetros. Nessa profundidade, a luz solar não consegue chegar ao fundo do mar, tornando extremamente improvável a presença de esponjas ou plantas marinhas. Dr. Thomas Hopkins, um renomado biólogo marinho especializado em pesquisa de plâncton, também descarta totalmente a explicação da planta.

O mistério relacionado a essa curiosa antena permanece inexplicável até os dias de hoje. 

Redes sociais: Insta \ whatsapp \ telegram \ facebook >>

Mais matérias sobre mistérios >>