Arqueologia Proibida: Antigas civilizações misteriosamente descreveram o mesmo Disco Alado nos céus... 

01/03/2021

A religião, seja qual for a forma que assuma, está intrinsecamente ligada à natureza humana desde o início dos tempos. Culturas separadas por milhares de quilômetros e centenas de anos adotaram costumes religiosos bastante semelhantes. Um exemplo disso é o culto ao disco solar alado, um dos símbolos religiosos mais antigos do mundo.

É um dos símbolos religiosos mais antigos conhecidos pelo homem. Sua forma é bastante simples: um círculo central com reflexos de labaredas solares, que parece estar suspenso com a ajuda de duas asas que surgem de seu dorso.

Agora, se algo é surpreendente sobre este símbolo religioso, não é seu desenho intrincado ou a profundidade de seu significado. Em vez disso, o que chama a atenção de arqueólogos, pesquisadores e antropólogos é o fato de ser alcançado em praticamente todas as culturas e religiões, em todas as épocas conhecidas.

A partir de diferentes achados arqueológicos e registros antigos, foi possível entender que o disco solar alado representa poder e majestade.

Normalmente este símbolo é colocado ao lado dos deuses principais na tentativa de exaltar sua grandeza e divindade. Um breve passeio pelos costumes religiosos de várias culturas confirma isso.

Ao analisar a história deste símbolo lendário, a primeira civilização que vem à mente é, sem dúvida, a egípcia. O disco solar alado pode ser encontrado em diferentes locais religiosos e textos sagrados do antigo Egito.

No Egito, é considerado um símbolo da alma e de sua eternidade. Muitas vezes é colocado em templos como um lembrete às pessoas de sua natureza eterna. Devido à sua referência solar, foi associado ao deus do sol, Rá. No entanto, ele se tornou conhecido como Behdety, um antigo deus mais tarde assimilado por Hórus.

Mais tarde, o faraó Akhenaton suprimiu o culto de Ra em favor de uma única divindade solar Aton, o disco solar divinizado, mas após a morte de Akhenaton, esse culto foi restaurado.

O deus egípcio mais importante relacionado a este símbolo é Hórus, que é representado como um pássaro emplumado com o disco e uma serpente em sua cabeça.

Outros estudiosos da cultura egípcia identificaram nesse simbolismo uma alusão ao deus Rá ou "aquele que sobe".

Do outro lado do mundo e mais tarde, encontramos a cultura asteca no continente americano. Seu deus principal, Quetzalcoatl, está associado em muitas inscrições a um sol alado. Além disso, ele é descrito como uma serpente emplumada, muito semelhante ao deus egípcio Hórus.

Quetzalcóatl é creditado com a criação da Terra e da humanidade, e é descrito em outros registros como uma divindade de pele azul. Esse detalhe é impressionante porque tem muito em comum com outro deus egípcio, Osíris. Agora, as semelhanças entre as duas culturas e religiões levantam algumas questões perturbadoras.

Como foi possível que egípcios e astecas sentissem devoção ao mesmo símbolo, o disco solar alado? Por que em ambas as culturas seus deuses principais estão relacionados a este símbolo e são representados de maneiras tão semelhantes? A história e a linha do tempo que conhecemos sugerem que é impossível que os astecas e os egípcios alguma vez se encontraram no passado.

Da mesma forma, há evidências de representações do disco solar alado na cultura Hopi dos nativos americanos. Uma das imagens mais nítidas desse símbolo antigo está localizada em uma parede do McConkie Ranch em Vernal, Utah.

O disco solar alado na civilização Suméria e Babilônica

Representações de um disco solar alado também podem ser encontradas nos registros da cultura e religião suméria, sendo alguns dos mais antigos que carregavam este símbolo.

Em algumas tabuas, o disco parece representar uma espécie de veículo ou nave com seres dentro (Anunnaki). Para os sumérios, esses seres eram "deuses" ou também foram interpretados como os "anjos caídos" que aparecem no Livro de Enoque.

Por outro lado, no épico de Gilgamesh é narrado como este herói luta e mata o Touro do Céu, um monstro enviado por Ishtar para destruir a cidade de Uruk.

Por causa disso, Gilgamesh é representado como um touro segurando o que é sem dúvida um Sol alado, sendo ainda assistido por dois deuses meio touro meio humano. Aliás, um dos principais deuses da religião egípcia é o boi Apis, protetor dos campos e da agricultura.

Outras civilizações e a adoração do disco solar alado

Nas várias civilizações que povoaram o continente europeu também há uma forte presença do disco solar alado. Por exemplo, em vários registros nórdicos antigos, é possível obter o que parece ser um sol alado. Da mesma forma, na cultura romana antiga, a adoração do Sol Invictus enchia.

O deus grego Hélios é retratado segurando um bastão adornado com uma serpente e o disco solar no topo.

Atualmente, podemos até encontrar este símbolo adaptado no emblema de várias marcas automotivas e nas Forças Aéreas de quase todo o mundo; da mesma forma, está relacionado a algumas das sociedades secretas mais influentes. Simples coincidência? Ou existe um terreno comum que explica a presença do disco solar alado em tantas culturas?