A tumba da rainha egípcia de 4.500 anos contém um aviso de mudança climática: O período de queda dos Faraós??

30/07/2021

A quantidade de achados feitos no Egito é grande, entre eles está o túmulo de uma rainha egípcia. O que torna isso interessante é que pode conter um alerta sobre as mudanças climáticas em nossos dias.

Entre as culturas antigas que mais fascinam arqueólogos e historiadores está a egípcia. As tumbas que foram encontradas ao longo dos anos foram muito úteis para aprender mais sobre como os egípcios viviam, seus reis e quais eram suas crenças. Entre as descobertas feitas está a tumba de uma rainha egípcia.

A tumba que é o foco neste artigo é a de Jintakus III, nos relevos das paredes da tumba ela é chamada de "Rainha Mãe". Ela foi a esposa do faraó Raneferef ou também conhecido como Neferefre e viveu aproximadamente no ano 2.240 a. C.

A descoberta da tumba ocorreu em novembro de 2015. Ficava a sudoeste do Cairo, em uma área conhecida como a necrópole Abusir ou Abu-sir.

A expedição arqueológica foi liderada por Miroslav Barta, do Instituto Tcheco de Egiptologia, que chefiava uma equipe formada por arqueólogos tchecos. Numerosos objetos foram encontrados na tumba que são valiosos para os egiptólogos.

A rainha, que viveu 4.500 anos atrás, pertence à dinastia V, mas até que a tumba fosse encontrada, nada se sabia sobre sua existência. O Ministério de Antiguidades egípcio anunciou que a descoberta revelou uma parte desconhecida da história da dinastia V (2.500-2.350 aC) e confirma a importância das mulheres na corte.

Na época em que Neferefre e a Rainha Jintakus III viveram, o Egito estava sob pressão. Isso foi devido ao impacto do nepotismo, a ascensão da democracia e a influência de grupos poderosos. Além disso, anos depois de sua morte, ocorreu uma seca que impediu o transbordamento do Nilo.

Vários ossos de animais, esculturas em madeira, cerâmica e cobre foram encontrados na tumba. Miroslav Barta explicou que esses objetos constituíam o ágape fúnebre da rainha, ou seja, a comida que se acreditava que ela precisaria na vida após a morte.

Além dos objetos com os quais é costume enterrar a realeza egípcia, havia os restos mortais de Jintakus III. O estado destes fornecerá dados interessantes sobre a vida de uma rainha do império egípcio. Barta afirma ainda que a análise ao túmulo levará alguns anos, mas será detalhada.

Os pesquisadores também planejam fazer um teste de carbono-14 com o objetivo de determinar quantos anos a rainha tinha quando morreu. Além disso, os diversos exames realizados nos restos ósseos permitem saber se ele sofria de alguma enfermidade. Por outro lado, o estado da sua pelve mostra a quantos filhos deu à luz.

Por que o túmulo de Jintakus III é um alerta sobre as mudanças climáticas?

Depois que Neferefre e a Rainha Jintakus III morreram, a pressão no Egito aumentou consideravelmente. Isso não aconteceu apenas pelos problemas já mencionados acima, mas também pelas mudanças climáticas que afetaram fortemente a população. Várias regiões foram afetadas por uma considerável seca. A seca impediu que o rio Nilo transbordasse como costumava acontecer, o que impediu que as plantações tivessem água suficiente. Causando vários problemas, como os seguintes:

Não houve colheitas razoáveis \ A receita fiscal diminuiu \ o aparelho estatal não podia ser financiado \ era difícil manter a integridade do Egito e sua ideologia.

Pesquisadores alertam que a descoberta da tumba é tanto um eco histórico quanto um alerta.

"Muitos caminhos podem ser encontrados para o nosso mundo moderno, que também enfrenta muitos desafios internos e externos", argumentam.

"Ao estudar o passado, você pode aprender muito mais sobre o presente. Não somos diferentes [deles]. As pessoas sempre pensam 'desta vez é diferente' e que 'somos diferentes', mas não somos."

Além disso, lembremos que uma investigação realizada por cientistas da Universidade Cornell de Nova York, realizada em amostras de um caixão egípcio e dos navios funerários enterrados perto da Pirâmide de Sesostris III, revelou uma luz inesperada sobre o fim da civilização egípcia; pois sugere que em 2.200 aC ocorreu um importante evento árido de curto prazo.

O evento causado pelas mudanças climáticas teve consequências importantes, alterando os recursos alimentares e outras infraestruturas que provavelmente levaram à queda do Império Acádico, afetando o Antigo Reino do Egito e outras civilizações do Mediterrâneo e do Oriente Médio que também entraram em colapso.

Muitas civilizações daquela época foram afetadas pelas mudanças climáticas, isso poderia acontecer hoje? A humanidade deve dar atenção às várias advertências que existem sobre este grande problema. Alguns acham que isso não pode acontecer hoje, mas até o Egito, uma das civilizações mais avançadas de seu tempo, foi duramente atingido pelas mudanças climáticas.

Fonte das informações