A tabua babilônica prediz o caminho de Júpiter 1.400 anos antes que os telescópios existissem

13/05/2021

"Os antigos astrônomos da Mesopotâmia não apenas descobriram (com uma precisão incrível) como prever o caminho de Júpiter mais de 1.000 anos antes da existência dos primeiros telescópios, mas também estavam usando técnicas matemáticas que formariam a base do cálculo moderno como nós sabemos agora."

Um historiador decodificou uma série de figuras trapezoidais em uma misteriosa tábua astronômica antiga da Babilônia. Depois de analisar a tabua, concluiu-se que os astrônomos da Babilônia calcularam os movimentos de Júpiter usando uma antiga forma de cálculo geométrico.

Lembre-se de que isso é aproximadamente 1.400 anos antes do que se pensava que esse tipo de matemática foi inventada pelos europeus.

Seus preceitos "antecipam o uso de técnicas semelhantes por estudiosos europeus medievais em pelo menos quatorze séculos", disse o autor da tradução, o astroarqueólogo Matthieu Ossendrijver, da Universidade Humboldt de Berlim.

O portal Science Alert observa: 'Isso significa que os antigos astrônomos da Mesopotâmia não apenas descobriram (com uma precisão incrível) como prever o caminho de Júpiter mais de 1.000 anos antes da existência dos primeiros telescópios, mas também estavam usando técnicas matemáticas que formariam a base do cálculo moderno como nós sabemos agora. '

As figuras geométricas trapezoidais que aparecem nas tábuas cuneiformes da Babilônia, preservadas no Museu Britânico, 'são geométricas em um sentido diferente, pois descrevem configurações, não em um espaço físico como os gregos, mas em um espaço matemático abstrato definido pelo tempo e velocidade ou deslocamento diário.

Esta é uma grande descoberta, a tabua é uma das mais de cem que foram encontradas em uma escavação durante o século 19. Antropólogos e arqueólogos têm trabalhado por quase um século tentando decodificá-las. Elas datam de cerca de 100 ou 200 a.C.

A tabua mostra que os astrônomos antigos usavam o tempo para calcular a velocidade e a distância de um objeto celeste. Acontece que os babilônios estavam mapeando o caminho de Júpiter em um período específico de tempo.

Eles fizeram isso medindo a velocidade de cada dia e usando um "atalho geométrico" muito avançado que lhes permitiu medir a velocidade do planeta no primeiro e no 60º dia de medições, o que lhes deu a distância percorrida.

Os cálculos nas tabuas cobriram um período de sessenta dias, começando com o dia em que o planeta apareceu em toda a sua vastidão no céu, após o nascer do sol. Todas essas posições celestiais eram muito importantes para o zodíaco babilônico, pois previam pragas ou outras calamidades.

É surpreendente como sabemos pouco sobre as civilizações antigas que povoaram nosso planeta. Pelo que sabemos até agora, eles eram extremamente avançados.

O que é ainda mais interessante é que muitas dessas culturas antigas falam de "deuses" que vieram do cosmos e compartilharam esse tipo de informação. Há até evidências de tecnologia altamente sofisticada que vem à tona todos os dias.

Fonte: science alert