A Dama de Elche, o ícone ibérico. Uma sacerdotisa de Atlântida?

14/01/2021

A senhora (ou dama) de Elche é uma escultura emblemática da Espanha. Pode representar uma sacerdotisa de Tartessos, uma lendária colônia da Atlântida.

A senhora de Elche é considerada a grande obra-prima da escultura ibérica. O mais enigmático é seu cocar ou enfeite na cabeça com duas rodas gigantes, além de sua origem, que na verdade é obscura. Pesquisadores propuseram que a senhora seria descendente de alguns colonizadores da Atlântida naquela região da Península Ibérica.

A escultura foi descoberta em 1897, no sítio arqueológico de La Alcudia, em Elche, na Espanha. O objeto foi datado entre os séculos V e III a.C.. Ela usa colares, pingentes, um diadema, uma tiara e um véu. É atribuída à cultura ibérica pré-romana, que se desenvolveu a leste e a sul da Península Ibérica.

Pensa-se que o busto teria sido cortado de uma estátua de corpo inteiro, uma vez que as representações de senhoras na Península Ibérica eram assim. Um ponto controverso é que os traços faciais seriam perfeitos demais para a arte da cultura ibérica, e parecem mais ao estilo romano. Na verdade, também se pensa que pode ter sido esculpida por um grego da Contestânia, com influências jônicas, etruscas e semíticas.

A senhora de Elche era uma sacerdotisa da Atlântida?

Pesquisadores alternativos estipularam que a senhora de Elche seria uma Atlante, descendente de colonizadores da Atlântida na Espanha. Os objetos misteriosos em seu rosto podem ter sido um artefato tecnológico dessa civilização avançada perdida.

Ibéria teria contido uma colônia do continente perdido (na Idade do Bronze), com seu centro na cidade portuária de Túrdulos. Túrdulos é considerada a própria casa dos Tartessos, uma civilização semimítica descrita pelos gregos. O historiador espanhol do século 17, José Pellicer de Ossau, defendeu a teoria de que Tartessos era um local da Atlântida.

(Tartesso era o nome pelo qual os gregos conheciam a primeira civilização ibérica.)

Foi relatado que no mesmo sítio arqueológico de La Alcudia teria sido encontrado um lustre de bronze único, e que seria semelhante a outro lustre encontrado em Tartessos. Outro ornamento relacionado é um colar de ouro das Tartessos, muito semelhante a um dos colares da senhora de Elche.

A ornamentação da escultura indica uma importância da dama, podendo representar uma mulher nobre, uma rainha desconhecida ou uma sacerdotisa. Nas reconstruções das estátuas completas, os símbolos do Sol são observados, isso pode significar um culto ou adoração ao Sol, central na religião da Atlântida.

Fato desconcertante: em Utah, EUA, foi encontrado um medalhão de bronze com a figura da senhora de Elche. Ele também possui uma escrita semelhante a cuneiforme (dos sumérios!). É um caso inconclusivo, mas pensa-se que pode ser um medalhão espanhol do século 20 que chegou a Utah por razões desconhecidas.

A Dama de Elche é uma escultura importante, tanto pelo seu nível artístico, como representativo da história ibérica. Sua conexão com 'Atlantis' é ousada, mas compreensível.

Fonte\Fonte